Psicólogo Murillo Rodrigues

Psicólogo (CRP 09/9447)| Professor | Pesquisador

sábado, 6 de janeiro de 2018

A diferença entre algesia, dor e sofrimento

Já reparou que tem gente que acorda 6 horas da manhã só para tomar aquele banho gelado, ao passo que existem outras pessoas que, mesmo marcando 32 graus Celsius, o chuveiro tem que estar na temperatura mais quente possível? Porque disso? Poderia a psicologia dizer algo sobre um processo que parece ser puramente fisiológico (sentir frio)? E sobre as dores emocionais que sentimos, existem diferenças? Sim, claro, e se você quiser saber mais, continue lendo.

Frio, calor, dor, arrepios, enrijecimento, taquicardia, várias podem ser as reações do organismo em situação de perigo: existem pessoas que travam frente ao medo e não conseguem se mexer, outras correm feito um guepardo africano, enquanto alguns riem feito uma hiena ou soltam o intestino e tem que correr para o banheiro por conta de dor de barriga... cada sujeito desenvolve reações diferentes e típicas de seu próprio modo de vida.

A psicologia não é uma matemática que diz que dois mais dois é igual a quatro, porque existe uma série de elementos micro e macroscópicos na vida de uma pessoa que são muito difíceis de serem analisadas, e na verdade, ao olharmos para a complexidade humana, pode-se que em muitos momentos é impossível analisar um sujeito e dizer com 100% de exatidão tudo sobre ele: sempre haverá erros, falhas, riscos e ilusões em análises, sejam elas quais sejam. Mas, mesmo diante disso, a psicologia tem avançado a passos largos nos últimos 200 anos para dizer algumas coisas sobre o ser humano.

A primeira delas, e que eu queria compartilhar com vocês, é diferença entre dois conceitos - algesia (ou nocicepção) e dor: Algesia é um termo da fisiologia que significa o processo sobre como as pessoas recebem em seu organismo um estímulo nocivo por meio de células específicas chamadas de receptores de danos, ou nociceptores, e que o envia para o cérebro. Por exemplo, imagina que uma pessoa furou a mão com um prego, onde as células desta parte do corpo vão enviar em milionésimos de segundos uma informação eletroquímica para o cérebro entender que algo está colocando o corpo em risco. É aqui que funciona o princípio das anestesias cirúrgicas, por exemplo, que interrompem a comunicação entre os membros e o cérebro por meio da introdução de medicamentos. Mas o que nós entendemos como dor é uma interpretação do cérebro deste estímulo que foi recebido... daí o fato de que algumas pessoas, expostas ao mesmo tipo de estimula (uma injeção, por exemplo), sentem muito mais dor do que outras.

Ou seja, aquela história de que a “dor é psicológica” é sim verdade, não no sentido de que ela não existe, afinal de contas, aquilo que é psicológico também é real, ora bolas! Quando dissemos que a dor é psicológica é porque cada ser humano a sente de uma forma singular, a sua dor nunca será igual a minha dor, ou à dor do Joãozinho das Couves... E isso vale para as dores que são oriundas de estímulos nociceptivos (uma agulhada, um chute no pé da cama, etc) como para as oriundas de estímulos sociais aversivos (uma briga, término de relacionamento, um falecimento, etc...). Neste sentido, a dor, da forma como a sentimos, é, entre algumas coisas, produto da interação do meu organismo (células, etc) com as minhas vivências, ou seja, um conjunto de experiências simbólicas e afetivas que foram vividas anteriormente.



SIM, a dor também é aprendida! E por isso muitas pessoas conseguem lidar com ela, porque também aprendem formas para mitigá-las... mas o problema de algumas pessoas é que elas nunca aprenderam alternativas diferentes para lidar com a dor do que o sofrimento: sim, essa é outra coisa que preciso falar para vocês – dor e sofrimento são coisas muito diferentes. A dor é uma experiência psicológica que advém do contato com uma situação ruim, o sofrimento é o resultado de um conjunto de pensamentos e sentimentos que giram ao redor da dor para significá-la... como assim?

Algumas pessoas, ao serem traídas, por exemplo, ficam pensando assim: “onde foi que eu errei, o que eu fiz para merecer isso, será que eu fui uma pessoa ruim”, ao passo que outras pessoas pensam assim “não podemos controlar as ações das outras pessoas, e desta vez, infelizmente eu entrei em uma situação que me machucou, mas vou dar a volta por cima”... Ou seja, o primeiro sujeito, se continuar pensando coisas assim, pode ter maior probabilidade de ficar na dor por mais tempo, do que o segundo, por conta de uma forma sofrida de pensar.

E porque isso acontece? Porque nós, assim como aprendemos a andar, falar nosso idioma e a comer usando talheres, também aprendemos a como devemos nos sentir em cada situação... o problema é que hoje nós achamos que isso nasceu com a gente, ou que é muito natural... não, não é! Existem pessoas que aprenderam a sofrer, aprenderam por conta de uma série de questões: tiveram exemplos, escutaram sobre como deveriam se comportar, o que deveriam fazer, escutaram conselhos de amigos, parentes, etc... E nem sempre, tais coisas nos ajudam, às vezes até nos atrapalham.

Todos nós já passamos ou vamos passar por dificuldades, isso faz parte da vida, temos que aprender a nos conformar com isso e criar formas de lidar com a dor, o que não quer dizer que precisamos sofrer interminavelmente com ela... devemos respeitar nossos sentimentos, nossa dor, nossas frustrações, mas existem diferentes formas pelas quais podemos olhar para estes sentimentos e ressignificá-los. É fácil, provavelmente não! Mas é possível!

Você, já sofreu algum tipo de dor ou dificuldade que foi muito difícil de superar? Não apenas física, mas psicológica? Eu te faço uma pergunta: como isso afetou ou influenciou a sua vida, ou a pessoa que você é hoje? Mesmo na dor você tem a possibilidade de aprender a crescer e ser uma pessoa melhor, mas você consegue fazer esta escolha? Algumas pessoas conseguem, outras não, o importante é ter com quem contar nos momentos de dificuldade.

Tenha sempre um bom amigo, um bom conselheiro, mas também não se esqueça que você pode contar com o apoio profissional de um psicólogo, uma pessoa que estudou sobre dinâmicas de comportamento humano para mostrar inúmeras possibilidades para lidar com a dor e com o sofrimento humano. E não se esqueça, o trabalho do psicólogo é técnico e científico, não é para dar conselhos, mas sim para ajudar a entender e explicar como os seus comportamentos se agrupam e que resultados eles te trazem. Caso você queira saber com mais profundidade, como funciona uma orientação psicológica profissional, ente em contato para uma avaliação de seu caso (vou deixar meu whatsapp abaixo pra você).

Espero que este texto tenha servido para ajudar a esclarecer algumas coisas, e para mostrar que, caso você tenha chegado nele em caso de dificuldades pessoais, existem muitas possibilidades para você vencer sua dor.

Um abraço!

-----

Sobre o autor:

Murillo Rodrigues dos Santos, é psicólogo (CRP 09/9447) graduado pela PUC Goiás (Brasil), com formação em Terapia de Casais e Famílias pela Universidad Católica del Norte (Chile). Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Goiás (Brasil). Possui formações pela Fundação Getúlio Vargas (Brasil), Fundación Botín (Espanha), Brown University (EUA) e Harvard University (EUA). Psicólogo Clínico e Organizacional, diretor do Instituto Psicologia Goiânia.


Contato: (62) 99446-312 (Whatsapp).

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna Veniam, quis nostrud exerci tation ullamcorper suscipit lobortis nisl ut aliquip ex ea commodo consequat.

0 comentários:

Postar um comentário

Depoimentos

Quer fazer um orçamento comigo?

Fale Comigo

@psicologiagoiania
+55 62 3241-7053
Instituto Psicologia Goiânia