Psicólogo Murillo Rodrigues

Psicólogo (CRP 09/9447)| Professor | Pesquisador

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Invisibilidade Social

Invisibilidade Social foi um termo ficou bastante conhecido na psicologia brasileira após a publicação do relato do Dr. Fernando Braga da Costa, em seu livro “Homens Invisíveis: Relatos de uma humilhação social”, do tempo em que, para fazer sua pesquisa de graduação na USP, em psicologia social II, se vestiu de gari no campus universitário e foi trabalhar com os mesmos.
O que era para ser apenas uma simples pesquisa ou mesmo aventura universitária se tornou no relato de um grande fenômeno psicossocial que não era percebido da maneira adequada: A invisibilidade social (ou pública como o autor cita).
Fernando Braga da Costa percebeu que o uniforme de gari e a vasoura em sua mão lhe portavam muito mais do que o estatus de trabalhador braçal, mas lhe legavam a invisibilidade pública. Seus colegas de graduação, professores e demais conhecidos, não o reconheciam, e nem sequer olhavam para ele quando estava vestido com o uniforme de gari, porém, reconhecendo-o normalmente quando este estava sem o uniforme. Tal fenômeno o intrigou e o fez ficar por meses junto com os garis, trabalhando e vivendo como estes. Seus relatos deram fim ao seu livro que narra os relatos da invisibilidade pública que algumas pessoas estão sujeitas.
Segundo Costa (2004) “a invisibilidade pública – espécie de desaparecimento psicossocial de um homem no meio de outros homens” (p. 54), sendo assim, para com os outros uma percepção social minada.
O autor (2004) continua discorrendo sobre o tema
A invisibilidade pública, desaparecimento intersubjetivo de um homem no meio de outros homens, é expressão pontiaguda de dois fenômenos psicossociais que assumem caráter crônico nas sociedades capitalistas: Humilhação social e reificação. (p. 63)
Ou seja, o autor coloca a invisibilidade pública como expressão/produto de dois fenômenos típicos do mundo capitalista: A humilhação social – Subjugar com violência psicológica a subjetividade de um sujeito à de outro sujeito. E o processo da reificação – O homem é aquilo que ele produz, e a forma de tratamento das relações humanas segue um processo mercadológico.
Tais conclusões do pesquidor levam-nos à reflexão diária das cenas em que passamos e nem ao menos nos damos conta: Da forma como ignoramos o transeunte, o mendigo, o gari, motorista de ônibus, e todos os demais que ‘nada produzem’ para conosco.
A invisibilidade pública é uma construção psíquica e social. Nessas circunstâncias, muita violência e verdade amortecidas contam como ingredientes que impedem a compreensão da invisibilidade pública como signo de luta social, uma luta de classes. A invisibilidade pública, dessa maneira, não aparece como sintoma social, cristalização histórica de um desencontro, mas pode apresentar-se à consciência como fato natural. (Costa, 2004, p. 162).
Sendo assim, a invisibilidade social é um fenômeno psicossocial pelo qual um sujeito é intersubjetivamente apagado por outro. É um processo onde o ser é tornado invisível por sua “insignificância ou irrelevância social”.
---
Referência
Costa, F. B. (2004). Homens invisíveis: Relatos de uma humilhação social. São Paulo: Globo.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna Veniam, quis nostrud exerci tation ullamcorper suscipit lobortis nisl ut aliquip ex ea commodo consequat.

0 comentários:

Postar um comentário

Depoimentos

Quer fazer um orçamento comigo?

Fale Comigo

@psicologiagoiania
+55 62 3241-7053
Instituto Psicologia Goiânia